Conheça 7 ataques químicos que EUA se negam a comentar

‘Às vésperas de uma possível ação militar sob a justificativa de uso de armas químicas, relembre episódios que Washington não faz questão de citar


1. O Exército norte-americano no Vietnã. Durante a guerra, no período de 1962 até 1971, as Forças Armadas dos EUA despejaram cerca de 20 milhões de galões – 88,1 milhões de litros aproximadamente - de armamento químico no país asiático. O governo vietnamita estima que mais de 400 mil pessoas morreram vítimas dos ataques; 500 mil crianças nasceram com alguma deficiência física em função de complicações provocadas pelos gases tóxicos. E o dado mais alarmante: mais de um milhão de pessoas têm atualmente algum tipo de deficiência ou problema de saúde em decorrência do Agente Laranja - poderosa arma química disparada durante o conflito.

 
Aviões norte-americanos sobrevoando território do Vietnã
 2. Israel ataca população palestina com Fósforo Branco. Segundo grupos ligados aos direitos humanos - como Anistia Internacional e Human Rights - o material altamente venenoso foi disparado em 2009 contra civis de origem palestina em território israelense. O Exército negou na época o uso de armas químicas. No entanto, alguns membros das Forças Armadas admitiram os disparos. Clique aqui e veja a reportagem.

3. Washington atacou iraquianos com Fósforo Branco em 2004. Jornalistas que participaram da cobertura da Guerra do Iraque reportaram que o Exército norte-americano utilizou armas químicas na cidade de Fallujah. Inicialmente, os militares se justificaram dizendo que o material serviu apenas para “iluminar o local ou criar cortinas de fumaça". No entanto, o documentário “Fallujah, o massacre encoberto”, do diretor Sigfrido Ranucci, apresenta evidências do ataque com depoimentos com membros das Forças Armadas dos EUA admitindo o episódio. Crianças e mulheres foram as principais vítimas.
 
Ação militar no Iraque em 2004
4. CIA ajudou Saddam Hussein a massacrar iranianos e curdos em 1988 com armas químicas. Documentos da Inteligência norte-americana divulgados uma década depois revelam que Washington sabia que Saddam Hussein utilizava armas químicas na guerra Irã-Iraque. Mesmo assim, continuou colaborando com o presidente iraquiano. No começo de 1988, em específico, Washington alertou Hussein do movimento de tropas iranianas. Usando a informação, foi feito um ataque químico que massacrou tropas do Iraque em um vilarejo povoado por curdos. Cerca de cinco mil pessoas morreram. Outras milhares foram vítimas de complicações em decorrência dos gases venenosos.

5- EUA realizaram testes químicos em bairro pobre e negro de St Louis. No começo da década de 50, o Exército norte-americano organizou um teste de militar em alguns bairros populares de St. Louis - caracterizados por ter maioria negra. O governo disse aos moradores que realizaria um experimento com fumaças de iluminação "contra ameaças russas". No entanto, a substância atirada na atmosfera continha gases sufocantes. Após os testes, um número grande de pessoas da região desenvolveu câncer. Não há informações oficiais do número de pessoas vítimas do ataque químico.
Imagem histórica de inspetores de Washington preparando o teste químico em bairro de St. Louis
6 - Exército norte-americano bombardeou tropas iraquianas com armas químicas em 2003.  A cruzada de Washington à procura de armas nucleares teve episódios de disparos químicos contra os militares iraquianos, que acabaram atingindo civis. Durante 2007 e 2010, centenas de crianças nasceram com deficiências. “As armas utilizadas no confronto no Iraque destruíram a integridade genética da população iraquiana”, afirmou na ocasião Cristopher Busby, o secretário do comitê europeu de Riscos de Material Radioativo.
Bombas norte-americanas massacram milhares de japoneses durante a Segunda Guerra Mundial
 7- Japoneses são massacrados com Napalm entre 1944-1945. Em 1980, a ONU (Organização das Nações Unidas) declarou que a utilização do Napalm (um tipo de álcool gelatinoso de alto grau de combustão) seria a partir de então considerada crime de guerra dado o efeito absolutamente devastador da substância. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Exército norte-americano derrubou sobre os japoneses o suficiente para queimar 100 mil pessoas, deixar mais um milhão feridas e destruir milhares de residências”

Fotos: @policymic

Comentários

Galvam disse…
1-O agente laranja que aparece na foto não era uma arma química, era um desfolhante, um agrotóxico. Era usado para fazer cair as folhas das arvores na floresta tropical vietnamita que servia de camuflagem natural para as atividades anti-americanas na região. evidentemente alguém que esteja tanto hoje como naquela epóca em um local onde se despeja um agrotóxico está sujeito a sequelas físicas, e tal fato afetou tanto o lado vietnamita como o lado americano, pois após o uso as tropas americanas invadiam o local recebendo a concentração química tóxica também.
2-Fósforo Branco não é arma química,serve para efeitos balísticos, a munição com fósforo branco e alta letalidade não pelo fosforo mas pelo impacto, e é usado nas guerras desde que a artilharia existe, ambos os lados palestinos e judeus usam.
3-O episódio em fallujah retratado no documentário é altamente tendencioso, e foi feito com a intenção de retratar os americanos como cruéis genocidas o que não é o caso. Fallujah era uma cidade totalmente fortificada e ao que parece aonde concentrava-se boa parte da temida guarda republicana fiel a Saddam, que usou cada habitação e cada rua como fortificação, a ideia era criar uma zona de resistência tão difícil de conquistar que iria criar um bolsão sem saída e por causa disso os combates foram tão intensos pois as tropas entraram e não tinham mais como sair sem apoio aéreo.
4-A CIA tem sido usada para justificar as maldades atribuídas aos americanos, acredite os iraquianos não precisavam da CIA para fabricar armas químicas, e gás mostarda usado contra os curdos pode-se fazer até em casa. Pura falácia!
5-Não dá para ter controle total da atmosfera! Qualquer coisa jogada na atmosfera também atingiria o bairro branco! Isso nunca existiu!
6-Outra vez a inverdade prospera, o exército americano reinou absoluto no iraque, conquistando cada posição sem necessidade de armas mais sofisticadas, pois tinha um apoio aéreo maciço e cirúrgico, civis atingidos em combate serviram
prática mente de escudo para a resistência iraquiana que travava combates em locais recheados de civis para inibir a reação americana o que nem sempre acontecia. Mas era por erro de avaliação.
7-Falar em massacre contra os japoneses na segunda guerra mundial é ser simplista demais! O exército japonês foi quem tomou a iniciativa de invadir diversos territórios na Asia, massacrando, escravizando e reduzindo a pó várias cidades, o que aconteceu é que tiveram que suportar bombardeiros em seu próprio país que prioritariamente visavam objetivos militares! Além disso napalm é gelatina de petróleo e é a bomba incendiária mais usada até hoje.
Para encerrar acho que seria louvável para com matérias tendenciosas, que em vez de informar visam apenas a pintar um ou outro país como vilão!
Só para constar: O Armamento blindado móvel iraquiano era fornecido pelo Brasil, assim como os misseis terra/terra usados para bombardear o Irã na guerra Iraque/Irã, e continham fósforo brancos - Uma reportagem do Roberto Cabrini no SBT foi até a Aldeia Curda massacrada por Saddam e entrevistou o líder da resistência local que estava usando um veículo Cascavel tomado do exército iraquiano, O Cabrini mostrou até a marca Engesa na lateral.
Taí, pareceu-me convincente!
Anônimo disse…
Esse comentário do Galvan e no minimo hilario, Stalin matou segundo fontes "fiáveis" dos "americanos" mas de 20 milhões de pessoas, mas o Tio Sam nunca matou ninguém desde a segunda guerra Cherokee em 1777. Fosforo branco não e arma química mas é componente principal de uma, assim como o cloro e o fluor.

"O exército japonês foi quem tomou a iniciativa de invadir diversos territórios na Asia, massacrando, escravizando e reduzindo a pó várias cidades" O mesmo feito pelos EUA no México, Porto Rico, Filipinas e Cuba e a lista e longa.

"Além disso napalm é gelatina de petróleo" Não confunda gasolina gelatinosa usada em lança chamas com os sais de alumínio co-precipitados de ácidos nafténico e palmítico, vulgo Napalm. Napalm e arma proibida desde 1980 pelo protocolo III da Convenção da ONU sobre Armas Convencionais Consideradas como Excessivamente Lesivas ou Geradoras de Efeitos Indiscriminados.

Procure informações primeiros, a internet está ai para isso, não custa nada e só digitar a url.

Leia Mais..