Dilma passa mal e médico debocha: "procure um cubano, fdp!"

Postagem do médico Milton Pires teve centenas de curtidas e compartilhamentos (reprodução)

"Nunca houve tanto ódio em uma campanha eleitoral como na de 2014. Desde ataques a nordestinos, pobres ou até a famosos que declaram voto em Dilma. Eleitores da atual presidente se sentem intimidados

Pragmatismo Político  

“Tá se sentindo mal? A pressão baixou? Chama um médico cubano, sua grande filha da puta!”. A mensagem foi postada no Facebook pelo médico gaúcho Milton Pires, funcionário da prefeitura de Porto Alegre, formado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e especialista em terapia intensiva, logo após a presidente Dilma Rousseff se sentir mal, com uma queda de pressão, no debate do SBT, ocorrido na tarde de ontem. Entre seus seguidores, urros de ódio. Um deles dizia que a presidente Dilma deveria buscar proteção da Lei Maria da Penha, após ter sido espancada no debate.

A postagem é mais um exemplo do ódio que se alastra pela sociedade brasileira, às vésperas do segundo turno da eleição presidencial. Ontem, a notícia mais relevante do dia, foi a onda de insultos ao ator Gregório Duvivier, do grupo Porta dos Fundos, motivada por seu apoio declarado à reeleição da presidente Dilma Rousseff. O também ator Dado Dolabella, condenado por agressão a mulheres, comparou Duvivier a alguém contaminado pelo vírus ebola.
As duas agressões, a Duvivier e à presidente Dilma Rousseff, fazem parte do mesmo fenômeno: o neofascismo que se alastra pela sociedade brasileira.

Nordestinos e divisão do Brasil

No início do segundo turno, como reação à expressiva votação de Dilma no Nordeste, houve uma onda de ataques contra pobres e nordestinos nas redes sociais. Um famoso colunista de Minas Gerais, eleitor declarado de Aécio Neves, sugeriu que a solução para o Brasil seria dividi-lo entre os “trabalhadores do sul, eleitores de Aécio” e os “preguiçosos do Nordeste, eleitores de Dilma” (relembre aqui).

As agressões foram ainda maiores em uma comunidade para médicos e estudantes de medicina com mais de 97 mil participantes no Facebook, onde foi sugerido, entre outras coisas, a “castração química de nordestinos eleitores de Dilma”. Como resposta, uma das moderadoras do grupo disse que as manifestações de ódio eram apenas ‘desabafo’.

Em outro caso, a Auditora Fiscal Ingrid Berger foi denunciada na Ouvidoria do Ministério Público do Trabalho (MTE) após sugerir que uma bomba atômica deveria ser atirada no Nordeste.

com 247
Via Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Comentários: