“Se eu voltar para Etiópia, posso ser morto”, diz atleta medalhista na Rio-2016


Feyisa Lilesa ganhou medalha de prata na maratona masculina e, ao passar pela linha de chegada, cruzou os braços na altura da cabeça em manifestação contra o governo de seu país; protestos como esse já levaram cerca de 400 pessoas à morte na Etiópia

Por Matheus Moreira, Revista Fórum -

Medalhista de prata na maratona masculina durante a Olimpíada no Rio de Janeiro, Feyisa Lilesa, etíope de 26 anos, se manifestou contra o governo de seu país, que pretende expandir os limites da capital utilizando terras da tribo Oromo – maior grupo étnico da Etiópia, do qual Lilesa faz parte.

O protesto, que passou despercebido para muitos, pode levar o atleta à morte ou à prisão. Em entrevista após a corrida, Lilesa afirmou que, caso voltasse e fosse conveniente para o governo, poderia ser morto. “Se eu não for morto, serei preso. E se não for preso, podem me barrar no aeroporto. Eu tenho uma decisão a tomar. Talvez eu me mude para outro país”, disse.

Protestos

A tribo Ororo tem vivido momentos de insegurança e violência após a oficialização das intenções do governo em expandir o território da capital, Adis Abeba, utilizando áreas de moradia da etnia e removendo os grupos do local.

Mais de 400 pessoas já morreram e outras dezenas ficaram feridas por participarem de protestos contra a medida. Um vídeo divulgado pela organização Humans Rights Watch mostra o momento em que manifestantes que fazem o sinal de protesto característico do movimento (um x com braços na altura da cabeça, o mesmo que Feyisa fez ao vencer a prova) são alvejados por soldados.

De acordo com a ONG internacional, muitos dos mortos, feridos e presos (que têm sido torturados) são cidadãos “abaixo dos 18 anos”.
Via Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Comentários: