A internet levou a extrema direita à Casa Branca com o “alt right”

Neo nazis com Trump
Por José Eduardo Mendonça, DCM -
 
Sem muito alarde, Snapchat constrói liderança em inovação

Embora o Snapchat tenha ultrapassado o Twitter em termos de usuários diários e ter se tornado uma das redes sociais mais populares do mundo, o serviço não atingiu a atenção da mídia conseguida pela plataforma de 140 caracteres, talvez porque jornalistas e candidatos presidenciais não a usem muito.

A divisão de notícias do serviço se tornou uma fonte popular e inovadora para jovens, mas é raramente mencionada como influência no tiroteio da mídia durante a campanha presidencial. E por ser usado primariamente por adolescentes e jovens adultos, é vista com frequência como uma frivolidade pelos mais velhos, parecendo ser deliberadamente destinada a frustrar quem tem mais de 25 anos.

Na verdade, o Snapchat se tornou silenciosamente uma das mais inovadoras e influentes companhias de tecnologia do consumidor no mundo.

Ela está avançando radicalmente novas ideias de como os humanos podem interagir com computadores. Neste sentido, é pioneira de um modelo de rede social que o faz ser sentida como mais familiar e autêntica que as ideias do Facebook que hoje dominam o mundo online. Seu software e hardware, assim como suas estratégias de marketing, são mais ousadas que as de muitos gigantes da tecnologia, inclusive a Apple.

Seu modelo de entretenimento e jornalismo, o que é muito importante, valoriza mais a edição e a curadoria humanas do que matérias selecionadas por algoritmos de personalização, representando um afastamento dos feeds filtrados que dominam grande parte do resto do jornalismo digital.

O Snapchat é relativamente pequeno. Seus 150 milhões de usuários diários são uma base pequena perto dos 1.2 bilhão do Facebook, e seu sucesso não é garantido. Nem é óbvio que todos os seus avanços sejam positivos.

Ainda assim, não é de admirar que o Facebook e suas subsidiárias pareçam obcecadas em imitar o Snap. Como fonte de ideias que muitos no setor não haviam considerados antes, não é apenas popular, mas cada vez mais importante.

A internet “efêmera” do Snapchat – que tem sido imitada por muitas companhias, inclusive mais recentemente o Instagram, não apenas apresentou um novo conceito de privacidade online. Alterou o que antes era considerada uma lei sagrada da interação online, a viralização.

Todas as mídias que têm sido populares online são permeadas por coisas passadas de um usuário a outro. Não é o caso do Snapchat.  Embora tenha introduzido alguns modos limitados de enviar os snaps das pessoas, não há meios óbvios de uma porção única de conteúdo se tornar viral dentro do app.
Como resultado, comenta o New York Times, muito do que se vê nele parece menos uma performance do que o que se vê em outras redes. Seus usuários não estão caçando curtidas ou compartilhamentos. Para o bem ou para o mal, estão tentando ser reais.

O Washington Post triunfa em sua revolução digital

Desde que Jeff Bezos, fundador da Amazon, comprou da família Graham o jornal The Washington, há três anos, por U$ 250 milhões, a publicação se reinventou com velocidade digital, comenta a Columbia Journalism Review.

Seu tráfego na web dobrou desde a chegada de Bezos e ultrapassa de longe o do New York Times (e mesmo do BuzzFeed) no número de posts que seus repórteres publicam por dia. O jornal tem tido tal sucesso no jogo digital que agora licencia seu sistema de gerenciamento de conteúdo para outros veículos, um negócio que pode gerar U$ 100 milhões por ano.

O editor do Post, Martin Baron, ganhou o status de uma estrela do rock no jornalismo. E membros de seu pessoal técnico se tornaram estrelas no circuito de conferências de mídia digital.  Se um jornal como o Post pode ser consertado digitalmente, talvez haja esperança para todos.

Talvez, se todos tivessem como donos um bilionário que vê o campo da mídia hoje parecido com o da internet no final do século passado, essencialmente um território aberto para quem possa gastar mais dinheiro e se mover o mais rápido para conquistar a maior fatia de mercado. Esta é a história da ascensão da Amazon, e muitas de suas lições estão sendo aplicadas por Bezos no jornal.

Internet impele extrema direita nos EUA

Nem os aloprados que hoje “governam” o Brasil chegaram ao extremo de colocar ideólogos de extrema direita como Reinaldo Azevedo ou Olavo de Carvalho em postos chaves do governo. Mas foi exatamente isso o que fez Donald Trump, colocando uma pessoa como Stephen Bannon, um guru da direita, no papel de um dos principais mentores de sua agenda.

Bannon é ex-presidente do Breitbart News, um  site muito influente e megaconservador, defensor do nacionalismo dos brancos e mesmo do racismo.

É uma das pessoas por trás de um movimento que se convencionou chamar de “alt-right”, ou direita alternativa. O termo não é novo, mas começou a ser disseminado com mais força durante a campanha de Trump, tendo já sido usado em sites populares como Fox News, World Net Daily e CNS News.

Trump, que se distanciou do termo, pode ter tido um papel importante para colocá-lo no léxico conservador.

“Ninguém nem sabe o que é alt-right”, disse o presidente eleito à CNN em agosto. “Francamente, não existe alt-right ou alt-letf. Tudo que defendo é o senso comum”. Mas apenas a menção feita por ele chamou a atenção de mais conservadores.

O termo é um movimento difuso composto principal, mas não inteiramente, de nacionalistas brancos. Estiveram entre os primeiros e mais ruidosos apoiadores de Trump, vendo nele o primeiro candidato na história moderna aberto a ideias sobre a necessidade de proteger a raça branca – reduzindo o número e a influência de afro-americanos, hispânicos, muçulmanos e judeus.

Mas o que o movimento quer dele? Em primeiro lugar, preservar o status dos EUA como uma nação de maioria branca, ao desejar que o presidente siga as diretrizes mais extremas sobre imigração que discutiu, como a deportação de 11 milhões de imigrantes não documentados, e a proibição da entrada de muçulmanos no país, informa o Seattle Times. Com a ajuda de sites frequentados por multidões, como o Breitbart, que teve 86 milhões de visitantes em outubro.

Facebook vai precisar de mais que a censura para vencer na China

Depois de sete anos proibido na China, o Facebook vai precisar mais do que da ajuda da censura do governo chinês, condição necessária para entrar em um mercado gigantesco. Diminui o espaço para empresas de tecnologia estrangeira naquele país.

Na semana passada, soube-se que o Facebook está trabalhando em um software destinado a suprimir conteúdo. Tanto a empresa quanto seu dono, Mark Zuckerberg, vêm sendo criticados por se vergarem à exigência em troco de mais usuários.

“A censura é o maior requisito”, disse ao Guardian Adam Segal, diretor do Programa de Políticas Digitais e Cyberspace do Council on Foreign Relations, um think tank americano, e especialista em desenvolvimento de tecnologia na Ásia.

“Depois eles devem comecar a investir no ecossistema em seu torno, em startups chinesas, para mostrar que são amigos do país”.

O Facebook precisaria fazer parceria com uma empresa local e entregar a ela o controle da censura. Mas observadores na China dizem que os esforços da companhia de controlar notícias tidas como desfavoráveis pelo Partido Comunista teriam de ser tão bons quanto os do próprio governo.

Empresas de internet dos EUA bloqueiam conteúdo com frequência, a pedido do governos, para cumprirem leis locais. O próprio Facebook já removeu conteúdo na França, Rússia e Paquistão.

Isto, porém, não é uma garantia de sucesso. O WeChat, da Tencent, está em todo o país e tem muitas características de sua futura concorrente americana. como mensagens, postagens de fotos e compartilhamento de links.

O Facebook declara estar em “uma missão de conectar o mundo”, mas é difícil chegar a isso quando 1.3 bilhão de pessoas não podem acessá-lo. Seu triunfo, paradoxalmente, pode ser vantajoso como golpe de propaganda para o governo chinês, e ajudar a promover a ideia de “soberania da internet” – de que estados têm o direito de controlar como a tecnologia afeta seus cidadãos.

Existem riscos a considerar, como diz Nicolas Bequelin, diretor para a Ásia da Anistia Internacional. “Há perigo para usuários globais, por estarem conectados a usuários na China, e seus dados poderem ser requisitados por autoridades locais. O Facebook se tornaria então uma imensa rede social de vigilância para o governo chinês”, afirma ele.
Via Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Comentários: